03 junho, 2016

Dom Aquino Corrêa

Arte poética


Se queres, poeta, que tua alma cante,
Rumo ao céu, como a alada cotovia,
Dá-lhe as asas da prece ardente e pia,
Ao sol da fé, da tua fé radiante.

Estuda, estuda a fundo, noite e dia,
O belo idioma límpido e cantante,
Para engastar a rima de diamante,
No ouro velho da clássica harmonia.

Deixa depois teu estro voar, sem tolas
Preocupações de mestres, nem escolas:
Fala-te o próprio Deus, no amplo universo!

Vai assim ao ideal que é a formosura
Do espírito a brilhar, eterna e pura,
Na áurea beleza plástica do verso!

Um comentário:

Rubem Dutra disse...

O imortal Dom Aquino o mestre do versos, o tempo não envelheceram os seu escrito, pois todas as vezes que os lemos fica nos dias de hoje, os grandes legado deixado por ele vem atravessando os tempos, poderia falar mais desses grande vulto da história mato grossense.