29 janeiro, 2018

Adauto de Alencar

Peregrinos do amor


Seguindo sempre o nosso pensamento
vamos vencendo o nosso rumo incerto,
junto a mim matarei o meu tormento
e matarás também o teu, por certo...

Das mágoas procurando o esquecimento,
fazendo dessa vida um céu aberto,
venceremos a chuva, o sol, o vento,
a noite escura e as urzes do deserto...


Hás de sentir de mim meigos carinhos,
e não te cansarás nessa jornada
pelas ingremidades dos caminhos...

E nesse passo errante de judeus,
alegre trilharemos nossa estrada,
ambos felizes sob os pés de Deus!...

Um comentário:

Rubem Dutra disse...

Goste de seu poema, na minha visão óptica, imaginei a caminhada da vida, com com os desafios encontrados as vezes erramos ou acertamos, mas na vida a apreendendo um pouco com todos desafios na caminhada, mas sabendo que o tempo passa, e vamos voltar com as vazias, assim como partimos..