26 janeiro, 2018

Vagner Braz

Meu amor,
Não precisa me tratar como lixo 
Pois, eu sou como livro 
Todos e todas leem 
Sem preconceitos 
Mas, com desejos
O caminho são outros 
Que todos vivemos 
É quase impossível 
Que choramos sozinhos 
Sozinhas na cozinha 
No banheiro 
Na sala 
No quarto 
Na rua
Na esquina da vida
Vivemos os fôlegos de existir 
Por fim ou por misericórdia 
O povir

Nenhum comentário: