05 fevereiro, 2018

Silva Freire

Distância Disfarçada em Mim

I

Homem nevado de lonjuras, o que sou.
Despaisado numa distância triangular:
— você, nosso desejo, eu.
Ó mapa de estradas irregressáveis,
sem encontro, sem volta para o colo da amada descoberta.

II

Despaisei-me (suficiente) para ler direito
em outros mapas e buscá-la.
Mas tudo lonjuras, ausência de novo...

III

Hoje, então, regressarei à pátria,
e repartirei o poema
com as portas dos mercados anoitecidos,
com as esquinas que encompridam no meu corpo.
Convidarei um pária para bebermos,
(farra eterna)
Um sol de flores em homenagem ao desencanto da amada.

IV

Ela surrealizou-se no comportamento de todos os mapas.

1953

Nenhum comentário: