22 março, 2018

Osmar de Oliveira


Sentimentos Confusos


Que irresistível comoção hoje desperta
É como a febre o romper da ternura
Que nos envolve numa confusão mental
E nos espeta na mais pura dor.

Que estranho sentimento por um ser
Nasce espontâneo, sem ser semeado
Nos mortifica, nos consome e nos abate
É como o mistério: desejável e indiferente.

Singela e complexa harmonia das naturezas
Puro e impuro sentimento das almas
Falso reconhecer das índoles
Simples necessidade, simples vício.

Antes... anseio, fantasia e indagação
Depois... indiferença, desencanto e decepção
Aventura dos belicosos desassossegados
Perdição dos enfermos, indolentes e viciados.
Fonte: Panorama da Atual Poesia Cuiabana (1986)

Nenhum comentário: