20 março, 2018

Rambu


Insônia psico-antropófoga

Talvez seja noite extrema,
Da casmurra placidez,
Mas, viro-me e desviro-me
No ninho, sozinho, no cacto o sórdido espinho.
Agonizante é a noite
- Taciturna.
Invadem-me complexos,
Nobres e ignóbeis pensamentos.
Querubins sem asas,
Ou aquelas com auréolas,
- Paradoxo?
Dostoievski pousou sua pena sobre a consciência humana.
Drummond, da chapa, recita poesia mascando chiclé com banana.
onde está a flor do lácio do Velô?
Bendito seja, Bandeira, estamos fartos dos versos comedidos.

Fonte: Panorama da Atual Poesia Cuiabana (1986)

Nenhum comentário: