11 abril, 2018

D. Martins de Oliveira

Marimbú


Eu sou o marimbú de todas as cousas.
De mim foi que nasceu o sol, a lua, as estrelas,
e o cosmos, e a noite.
Foi do meu coração que surgiu o amor.
Meu pensamento desenvolveu a creação.
Do meu sonho nasceu a poesia.

Deus precisava baixar até mim,
para ser esta pequena gota que sou,
olho d’água de todos os sofrimentos...
Na minha lágrima há a essência dos oceanos.
As constelações brilham mais quando choro...

Se eu não tivesse pés, não haveria raízes,
nem barbatanas, nem peixes...
Se não tivesse mãos, não haveria tacto, nem formas.
Se não tivesse olhos, os astros rolariam nas trevas.
Se não ouvisse, tudo estaria em silêncio
e os perfumes morreriam no caos, tristes, sem meu olfacto.


Eu venho do centro da Terra,
do coração do Ser
e nunca mais deixarei de existir,
porque sou a fonte de alegria eterna!
O mistério!
A vida!

Nenhum comentário: