25 maio, 2018

Américo Corrêa

MINHA NEGUINHA


A sua pele negra
de breu pálido.

Essa boca risonha
de dentes alvos.

Esses olhos morenos
que me deixam mudo.

Esse corpo convite
que caminha solto.

Esse ar de dona
que me larga escravo.

Minha nega morena
que o sol não queima
e a lua inveja...

Você vem, você passa
deixando derretido
este mendigo sem praça.

(Américo Corrêa)

Nenhum comentário: